NOTÍCIAS
25/12/2018 09:55 -02 | Atualizado 25/12/2018 10:18 -02

Carros de origem chinesa enterram preconceito e ganham mercado no Brasil

CAOA Cherry e JAC Motors têm apostado em tecnologia por preço acessível para conquistar consumidores.

T40, da JAC, é responsável pelo aumento de vendas da marca em 2018.
Divulgação
T40, da JAC, é responsável pelo aumento de vendas da marca em 2018.

Você certamente já ouviu falar na pejorativa e preconceituosa expressão "ching ling", popularmente usada para rotular produtos de origem duvidosa, muitas vezes falsificados e geralmente originários da China.

Hoje, felizmente, ela parece estar com os dias contados no Brasil. Pelo menos no que se refere a uma das maiores paixões de boa parte dos brasileiros: os carros e todas as tecnologias que os acompanham a cada novo lançamento no mercado.

A China, segundo maior mercado do mundo no segmento automotivo, com cerca de 30 milhões de unidades vendidas anualmente (50% desse montante produzido no próprio país), entrou de mansinho na disputa por um lugar ao sol no Brasil, mas vem, dia após dia, derrubando o preconceito e conquistando um lugar de destaque na preferência do consumidor.

E qual o segredo desse crescimento das marcas chinesas no Brasil, especialmente da JAC Motors e da CAOA Cherry (antiga Cherry), de 2011 para cá? Quem respondeu essa pergunta para o HuffPost Brasil foi Nicolas Habib, diretor-geral da JAC Motors Brasil.

"Arrisco afirmar que a desconfiança sempre surge perante o que é pouco conhecido. Isso está menos relacionado à origem da marca e mais ao receio de adquirir um produto de uma marca nova. Quando começamos, em 2011, o preconceito era muito maior. O mercado brasileiro também não via com bons olhos os carros japoneses dos anos 90 e os sul-coreanos dos anos 2000", compara.

A explicação do diretor da JAC, filho de Sérgio Habib, responsável por trazer a marca chinesa ao Brasil há 7 anos e proprietário do grupo SHC, tem como principal base de fundamentação os números da empresa, que já emplacou 3.664 unidades entre 1º de janeiro e 30 de novembro de 2018 (boa parte com o T40).

Os números são ainda mais impressionantes quando a marca em questão é a CAOA Cherry, que surgiu da fusão do grupo brasileiro — já responsável pelo crescimento da sul-coreana Hyundai no País — com a montadora chinesa.

Desde que a fusão foi oficializada, em fevereiro, a CAOA Cherry subiu do 20º lugar no ranking das marcas mais vendidas no Brasil para a 14ª posição, e pode fechar 2018 batendo na porta do top 10, graças aos lançamentos do Tiggo 2 com câmbio automático, do Tiggo 5X Turbo e do Arizzo 5.

Divulgação
Tiggo 2 com câmbio automático alavancou vendas da CAOA Cherry.

Marcio Alfonso, presidente da marca no Brasil, espera encerrar o ano com média de 1,6 mil unidades vendidas por mês, o que colocaria a CAOA Cherry na briga com Peugeot, Citroën e Mitsubishi pela 10ª posição, já à frente da Mercedes-Benz e da Kia Motors.

"Esse crescimento significativo mostra a força da empresa e o resultado do investimento em tecnologia, design e qualidade de nossos produtos e serviços", comemorou o executivo, em reportagem publicada pelo site Autoinforme.

A qualidade dos produtos chineses no segmento automotivo é um dos pontos que ainda deixam em dúvida alguns consumidores que estão em busca de um novo carro.

Nicolas Habib afirma que temores como "a JAC não tem peças de reposição à pronta-entrega", por exemplo, não refletem o atual cenário envolvendo a empresa no Brasil.

"Nossos índices internos mostram que atendemos imediatamente, em menos de 24 horas, 96% de todos os pedidos feitos pela rede autorizada da marca a partir do nosso centro de distribuição de peças. Esse é um ótimo índice, superior, inclusive, ao de marcas estabelecidas no País", argumentou.

Acessórios, um negócio da China

HuffPost Brasil
Equipamentos de série do T40 fazem valer à pena o custo-benefício.

Tanto os modelos da JAC quanto os da CAOA Cherry dão ao consumidor algo que é cada vez mais decisivo na hora de escolher qual carro novo comprar: os acessórios.

As marcas de origem chinesa se gabam de oferecer um pacote bastante atraente por preços mais em conta do que os principais concorrentes.

Para se ter uma ideia, alguns dos "mimos" de série que equipam o T40 (foto acima) e o Tiggo 2, como central multimídia com câmera de ré, sensor eletrônico de calibragem dos pneus e acendimento automático dos faróis, por exemplo, não são encontrados nas versões básicas de modelos que custam até R$ 20 mil a mais, como o Honda WR-V.

O JAC T40 automático sai das lojas a partir de R$ 69.990,00, enquanto o Tiggo 2, também na versão automática, custa R$ 66.990,00.

De olho no futuro

Divulgação
JAC E40 será o elétrico mais barato do Brasil e custará R$ 129.990,00

Confiante nas novas tendências do mercado, a JAC Motors assegurou que em 2019 lançará 3 novos modelos para o consumidor brasileiro, incluindo o carro elétrico com preço mais acessível do País, o E40, que será construído em cima da plataforma do T40 e custará R$ 129.990,00.

Além do elétrico, devem ser lançados um SUV de grande porte (o T80) e uma picape cabine dupla diesel 4x4.